Pular para o conteúdo principal

Política do Pão e Circo até na Igreja?


“Quanto mais instruído o povo, tanto mais difícil de o governar…” Diz um Provérbio.





A política do Pão e circo (panem et circenses, no original em Latim) como ficou conhecida, era o modo com o qual os líderes romanos lidavam com a população em geral, para mantê-la fiel à ordem estabelecida e conquistar o seu apoio. Esta frase tem origem na Sátira X do humorista e poeta romano Juvenal (vivo por volta do ano 100 d.C.) e no seu contexto original, criticava a falta de informação do povo romano, que não tinha qualquer interesse em assuntos políticos, e só se preocupava com o alimento e o divertimento. 
Assim, nos tempos de crise, em especial no tempo do Império, as autoridades acalmavam o povo com a a construção de enormes arenas, nas quais realizavam-se sangrentos espetáculos envolvendo gladiadores, animais ferozes, corridas de bigas, quadrigas, acrobacias, bandas, espetáculos com palhaços, artistas de teatro e corridas de cavalo. Outro costume dos imperadores era a distribuição de cereais mensalmente no Pórtico de Minucius. Basicamente, estes “presentes” ao povo romano garantia que a plebe não morresse de fome e tampouco de aborrecimento. A vantagem de tal prática era que, ao mesmo tempo em que a população ficava contente e apaziguada, a popularidade do imperador entre os mais humildes ficava consolidada.
Essa tal política “pão e circo” muito utilizada na Roma antiga, continua até hoje. Em várias situações nos cenários nacional e internacional, esse tipo de manipulação se apresenta das mais diversas formas: eventos esportivos, programas televisivos, notícias sensacionalistas, e tantos outros tipos de “atrações” para a população são visíveis a olhares atentos/esclarecidos.



“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio depende das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce à prostituta, o menor abandonado e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo. ” (Bertolt Brecht)


FONTE: http://verdademundial.com.br/2015/03/politica-pao-e-circo/

Comentários

  1. Outro dia falava sobre isto, tive uma professora maravilhosa de história e ela me ensinou sobre isso, precisamos abrir nosssos olhos e manifestar a nossa opinião para mudar o contesto do meio em que vivemos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C. A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pesso…

Saiba o que é a Festa de Hanuká

A Festa de Hanuká
Primeiramente, o que significa a palavra hebraica Hanuká? Hanuká  (ou Chanucá) significa consagração ou dedicação. Esta festa é também conhecida no meio judaico como Festa das Luzes. Em João 10:22, vemos Yeshua (Jesus) passeando no Templo na comemoração da Festa da Dedicação. Essa passagem é a única passagem bíblica no Novo Testamento que se refere à referida festa. Não encontramos esta celebração no Antigo Testamento porque o fato que deu origem a esta festa ocorreu no ano 162 a.C. Contexto Histórico
Vindo da Macedônia, o império grego expande-se de maneira significativa, conquistando desde o Egito, Oriente Médio, até a Índia. Depois da morte de seu grande Imperador, Alexandre (336-323 a.C.), vários generais lutam pelo controle do Império. O imperador selêucida, Antiochus Epiphanes (175-163 a.C.), conquista o domínio sobre a região do Oriente Médio e investe fortemente contra toda a região da Judéia, impondo os costumes, as tradições, a religião e o pensamento grego He…

BÍBLIA DA ORAÇÃO - Editora Central Gospel

A Bíblia da Oração é resultado de anos de estudos do Dr. Morris Cerullo sobre uma ferramenta imprescindível à comunhão com Deus: a oração. A obra, uma edição especial que contém comentários ao longo dos livros bíblicos, foi preparada para que os leitores sejam edificados espiritualmente e possam desfrutar da unção divina liberada por meio da oração.
O Dr. Morris Cerullo se preocupou em explicar os tipos e estágios de oração nos artigos introdutórios. Nessa seção, também há dicas dele sobre os obstáculos a serem superados na oração, instruções sobre como utilizar os recursos dessa Bíblia e sobre como estabelecer um programa de oração diário e eficaz.
Outros recursos disponíveis na Bíblia da Oração — como um índice no início de cada livro apresentando os tópicos abordados e as referências bíblicas — também facilitam o estudo. Durante a leitura, é possível encontrar, ainda, versículos destacados, com símbolos e legendas indicando o episódio relacionado à oração. Mais de 1.000 tópicos, 200 …