Pular para o conteúdo principal

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

"A juventude de Baco", de Willian-Adolphe Bouguereau (1884)

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C.
A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
"A Bacanal", de Peter Paul Rubens
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pessoas dançavam na rua. Homens e mulheres que dançavam nus e se deliciavam regados a vinho agradando ao deus Baco/Dionísio.
Na Roma antiga, o mais belo soldado era designado para representar o deus Momo no carnaval, ocasião em que era coroado rei. Durante os três dias da festividade, o soldado era tratado como a mais alta autoridade local, sendo o anfitrião de toda a orgia. Encerrada as comemorações, o “Rei Momo” era sacrificado no altar de Saturno. Posteriormente, passou-se a escolher o homem mais obeso da cidade, para servir de símbolo da fartura, do excesso e da extravagância.
INCORPORAÇÃO PELA IGREJA CATÓLICA
No ano de 325 d/C no Concílio de Nicéia, o papa Silvestre I define o cálculo da data da Páscoa como sendo no primeiro domingo de lua cheia após o equinócio da primavera (data em que o dia e a noite têm a mesma duração) no hemisfério norte. Definida esta data, o carnaval vai entrar no calendário cristão como sendo imediatamente anterior a quarta-feira de cinzas.
Pertencendo ao calendário cristão, oficialmente no ano de 590 d/C o carnaval deixa de ser uma festa de comemoração da abundância da colheita para ser uma festa de “carnelevale” que quer dizer “adeus a carne” ou “ a carne nada vale”. O ritual da festa continua o mesmo. Vai haver uma grande mudança no foco da festa, pois esta passa a ser uma festa de limpeza, onde vale tudo. É um preparo para a entrada da quaresma. Neste período tudo é permitido para que se purifique a carne até a exaustão, pois ela “nada vale”. Durante este período, além da purificação da carne, purifica-se a vida do cotidiano e da vida mundana.
Com a "supremacia" do cristianismo (sem suas verdadeiras raízes do evangelho de Yeshua) a partir do século IV, a adesão em massa de não-convertidos ao cristianismo, dificultou a repressão completa. A Igreja romana, afim de agradar a todo mundo, consentiu com costumes pagãos, muitos dos quais, cristianizados para que se evitasse maiores transtornos.
O carnaval, então, acabou sendo permitido, o que serviu como “válvula de escape”, diante das exigências que eram impostas aos medievos no período da Quaresma.
Com o cristianismo, a Igreja Católica transformou alguns desses rituais pagãos em homenagens aos "santos", conferindo-lhes um caráter sagrado de acordo com os princípios cristãos. Ou seja: PAGANISMO. Vários elementos das antigas festas pagãs, porém, foram preservados.
Na Quaresma, todos os cristãos eram convocados a penitências e à abstinência de carne por 40 dias, da quarta-feira de cinza até as vésperas da páscoa. Para compensar esse período de suplício, a Igreja fez “vistas grossas” às três noites de carnaval. Na ocasião, os medievos aproveitavam para se esbaldar em comidas, festas, bebidas e prostituições, como na antiguidade.
A história do Carnaval, considerando os seus Centros de Excelência, está dividida em quatro períodos, embora todos eles estejam no mesmo grupo de paganismo:
- O Originário, (4.000 anos a.C. ao século VII a.C.),
- O Pagão, (do século VII a.C. ao século VI d.C.),
- O Cristão (do século VI d.C. ao século XVIII d.C.)
- O Contemporâneo (do século XVIII d.C. ao século XX).

E mesmo sendo uma festa associada a adoração aos deuses pagãos e com fins de libertinagem, infelizmente hoje, milhões a celebram, como se fosse algo "Normal".
"ADÚLTEROS E ADÚLTERAS, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Elohim? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Elohim." (Ya'akov/Tiago 4:4)

Fonte: https://www.facebook.com/MocaRealOriginal/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benny Hinn Confessa que Passou dos Limites com a Teologia da Prosperidade

Enquanto refletia sobre a vida e a morte do evangelista Billy Graham em um vídeo publicado no Facebook, o evangelista Benny Hinn admitiu que "foi longe demais" com a teologia da prosperidade. "Nós somos atacados por pregar prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, e a palavra de Deus não ensina assim. Acho que eu sou tão culpado quanto os outros", disse ele. "Às vezes você vai um pouco além do que realmente precisa ir e, então, Deus o traz de volta à normalidade e à realidade", disse Hinn, de 65 anos, em sua conversa com um colega do ministério.  "Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente embasado e equilibrado em suas opiniões e pensamentos, porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam naquela época. Mas como vivi mais tempo, fico pensando: 'Você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e com a realidade'. …

Pastor Abílio Santana é processado depois de pregar contra a Bíblia Gay

O pastor Abílio Santana é bastante conhecido, em especial no meio pentecostal, por conta de suas ministrações e também pelas declarações polêmicas. O motivo é um vídeo publicado por ele nas redes sociais no início deste ano, o líder religioso irá responder uma ação judicial por injuria e difamação. Os autores do processo, aberto na 5ª Vara Criminal do Estado da Bahia são os militantes LGBT Jefferson Raphael Caetano Lira e José Marvel Queiroz de Sousa. Eles ingressaram com uma queixa-crime contra Abílio Santana após o pastor ter feito críticas a publicação da Bíblia Graça Sobre Graça, comentada por Marvel, que se apresenta como pastor e teólogo. Dizendo que estava fazendo um alerta para os cristãos, Abílio diz no vídeo que as pessoas deviam “ficar atentas” ao comprar uma Bíblia pois poderiam estar adquirindo uma “Bíblia gay”. Na ocasião ao comentar o assunto, mostrou fotografias de Marvel e o mencionou nominalmente. Explicando de forma irônica que essa versão tiraria versículos bíblicos p…