Pular para o conteúdo principal

Condenados por lavagem de dinheiro Ex-Reitor da Ulbra e sua filha.

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) condenou um ex-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra/Celsp) e sua filha pelo crime de lavagem de dinheiro. Outras três pessoas também haviam sido acusadas e foram absolvidas. A sentença foi proferida na terça-feira, 16, pelo juiz federal Guilherme Beltrami.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o grupo teria utilizado diversos artifícios para ocultar ou tentar regularizar a origem de valores desviados da instituição de ensino. Entre os atos praticados estariam a realização de aplicações e de movimentações financeiras por meio de uma conta bancária em nome de uma neta do ex-reitor, a compra e venda de uma fazenda, e a aquisição de dois veículos de luxo e um motor-home. Os bens teriam sido registrados em nome de empresas ou de terceiros. Cerca de 28 mil reais, 14 mil dólares e 9 mil euros não declarados também teriam sido encontrados na residência de um dos acusados.
Em suas defesas, os réus asseguraram a legalidade de suas condutas e a origem lícita dos recursos. Também afirmaram que a denúncia seria genérica. O ex-dirigente da Ulbra justificou os valores guardados em casa como recebidos em função de sua atividade profissional. Já as quantias em conta-corrente teriam origem em uma rescisão de contrato de trabalho e um plano de previdência privada e seriam usadas para o sustento da família.
Ao decidir o caso, o juiz destacou que a denúncia apontou como crimes antecedentes a prática de peculato e fraude à execução e o delito de organização criminosa. Conforme avaliou, dos seis fatos narrados pelo MPF como tentativas de ocultação de patrimônio, apenas dois teriam ocorrido em períodos posteriores a estes crimes. Assim, foram consideradas as provas obtidas em relação a eles.
Sobre a apreensão de dinheiro em poder do ex-reitor, o magistrado apontou teria ocorrido mais de sete meses após sua renúncia ao cargo. Além disso, de acordo com os depoimentos colhidos em juízo, a família estaria passando por dificuldades financeiras no momento da apreensão. “Não é crível que, diante desse quadro, detivesse o réu, em seu poder, quantia equivalente ao montante aproximado a cem mil reais”, ponderou.
Já sobre as operações realizadas na conta corrente investigada, ficou provado que era administrada pela filha do réu e que teria sido aberta com valores oriundos do resgate de uma aplicação financeira denominada CDB-DI e, não, de um plano de previdência privada, como afirmado pelas defesas. Os mais de 160 mil reais teriam sido transferidos pela esposa do ex-dirigente. “Também é de relevo salientar que a mulher, ao que se extrai da prova produzida nos autos, não possuía fonte de renda lícita compatível com as vultosas importâncias movimentadas em sua conta bancária e que, em alguma medida, foram remetidas à conta da neta. Daí ressoa a evidência de que a propriedade dos montantes, de fato, pertencia a seu marido”, comentou.
Beltrami julgou parcialmente procedente a ação e condenou o ex-reitor da Ulbra e sua filha à pena de reclusão em regime semiaberto, impondo o período de cinco anos e três meses para ele e quatro anos, dois meses e 20 dias para ela. Ambos também deverão pagar multa.
Os demais réus foram absolvidos. Cabe recurso ao TRF4.
Quais eram os crimes anteriores
De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), entre os anos de 2004 e 2009, os cinco acusados teriam criado diversas empresas de “fachada”, simulando a realização de serviços e emitindo notas fiscais “frias” com o intuito de desviar dinheiro da universidade. Autorizados pelo então reitor e por um de seus filhos, os pagamentos eram realizados por meio da emissão de cheques ou transferências bancárias.
Além disso, os réus teriam desviado mais de R$ 6 milhões de um montante superior a R$ 10 milhões recebidos pela Ulbra da Prefeitura de Canoas, reduzindo de forma fraudulenta o faturamento da instituição de ensino, sobre o qual havia sido determinada constrição judicial para fins de quitação de débitos. Os crimes cometidos pelo grupo seriam estelionato, apropriação indébita, falsidade ideológica, peculato e fraude à execução. Posteriormente, os acusados também teriam cometido lavagem de dinheiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benny Hinn Confessa que Passou dos Limites com a Teologia da Prosperidade

Enquanto refletia sobre a vida e a morte do evangelista Billy Graham em um vídeo publicado no Facebook, o evangelista Benny Hinn admitiu que "foi longe demais" com a teologia da prosperidade. "Nós somos atacados por pregar prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, e a palavra de Deus não ensina assim. Acho que eu sou tão culpado quanto os outros", disse ele. "Às vezes você vai um pouco além do que realmente precisa ir e, então, Deus o traz de volta à normalidade e à realidade", disse Hinn, de 65 anos, em sua conversa com um colega do ministério.  "Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente embasado e equilibrado em suas opiniões e pensamentos, porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam naquela época. Mas como vivi mais tempo, fico pensando: 'Você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e com a realidade'. …

Pastor Abílio Santana é processado depois de pregar contra a Bíblia Gay

O pastor Abílio Santana é bastante conhecido, em especial no meio pentecostal, por conta de suas ministrações e também pelas declarações polêmicas. O motivo é um vídeo publicado por ele nas redes sociais no início deste ano, o líder religioso irá responder uma ação judicial por injuria e difamação. Os autores do processo, aberto na 5ª Vara Criminal do Estado da Bahia são os militantes LGBT Jefferson Raphael Caetano Lira e José Marvel Queiroz de Sousa. Eles ingressaram com uma queixa-crime contra Abílio Santana após o pastor ter feito críticas a publicação da Bíblia Graça Sobre Graça, comentada por Marvel, que se apresenta como pastor e teólogo. Dizendo que estava fazendo um alerta para os cristãos, Abílio diz no vídeo que as pessoas deviam “ficar atentas” ao comprar uma Bíblia pois poderiam estar adquirindo uma “Bíblia gay”. Na ocasião ao comentar o assunto, mostrou fotografias de Marvel e o mencionou nominalmente. Explicando de forma irônica que essa versão tiraria versículos bíblicos p…

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C. A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pesso…