Pular para o conteúdo principal

A Vocação Espiritual do Pastor - Eugene Peterson


Pastores também são gente – mesmo quando se esquecem disto.

A última pessoa de quem se espera ouvir falar de crise pessoal é o pastor. A imagem que se forjou do sacerdote em séculos de história cristã aponta para uma figura praticamente imaculada, imune a vacilações, tão sólida em suas estruturas internas quanto o próprio Cristo. Na prática, porém, suas fragilidades se revelam – às vezes, em episódios cruciais para seu ministério. Em certo momento da vida, o pastor Eugene Peterson passou por este conflito. Descobriu que, ao contrário do que pensava, sua identidade como “crente” e sua vocação como “pastor” não andavam necessariamente de mãos dadas. Viu-se diante do que chamou “grande abismo”, numa alusão a Lucas 16:26. E foi naquele momento que clamou a Deus e redescobriu a espiritualidade própria do chamado que recebera.

A vocação espiritual do pastor, publicado anteriormente pela United Press sob o título À sombra da planta imprevisível, é o relato dessa experiência decisiva, que Peterson compartilha a partir de uma reflexão sobre a personalidade de Jonas e a contenda que travou com sua vocação. Com a autoridade adquirida em anos de prática e uma bagagem acadêmica considerável, Peterson desconstrói mitos e resgata a essência do chamado pastoral, abordando questões que envolvem o labor ministerial e a espiritualidade toda própria que ele pressupõe.

Sobre o autor:
Eugene Peterson nasceu em 1932, no Estado de Washington. Graduou-se pelo Seminário Teológico de Nova York e pela Universidade John Hopkins. Em 1962, fundou a Igreja Presbiteriana Cristo Senhor em Maryland, nos Estados Unidos. A partir de 1991, passou a dedicar mais tempo ao ensino e à literatura. Em janeiro de 1993, tornou-se docente em Teologia Espiritual no prestigiadíssimo Regent College, no Canadá, onde atualmente é professor emérito. Além de escritor e poeta, Peterson se dedica à tradução da Bíblia, tendo traduzido o Novo Testamento (The message). É autor de vários livros, entre os quais O pastor contemplativo, O pastor que Deus usa e Corra com os cavalos, publicados no Brasil pela Editora Textus, uma divisão da Editora Mundo Cristão.

ISBN: 85-7325-409-2 Páginas: 176 Tamanho: 16x23 Categoria: Espiritualidade Ano: 2006

Pedidos (51) 3059-6659
ou
plenitude.livraria@hotmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benny Hinn Confessa que Passou dos Limites com a Teologia da Prosperidade

Enquanto refletia sobre a vida e a morte do evangelista Billy Graham em um vídeo publicado no Facebook, o evangelista Benny Hinn admitiu que "foi longe demais" com a teologia da prosperidade. "Nós somos atacados por pregar prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, e a palavra de Deus não ensina assim. Acho que eu sou tão culpado quanto os outros", disse ele. "Às vezes você vai um pouco além do que realmente precisa ir e, então, Deus o traz de volta à normalidade e à realidade", disse Hinn, de 65 anos, em sua conversa com um colega do ministério.  "Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente embasado e equilibrado em suas opiniões e pensamentos, porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam naquela época. Mas como vivi mais tempo, fico pensando: 'Você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e com a realidade'. …

Pastor Abílio Santana é processado depois de pregar contra a Bíblia Gay

O pastor Abílio Santana é bastante conhecido, em especial no meio pentecostal, por conta de suas ministrações e também pelas declarações polêmicas. O motivo é um vídeo publicado por ele nas redes sociais no início deste ano, o líder religioso irá responder uma ação judicial por injuria e difamação. Os autores do processo, aberto na 5ª Vara Criminal do Estado da Bahia são os militantes LGBT Jefferson Raphael Caetano Lira e José Marvel Queiroz de Sousa. Eles ingressaram com uma queixa-crime contra Abílio Santana após o pastor ter feito críticas a publicação da Bíblia Graça Sobre Graça, comentada por Marvel, que se apresenta como pastor e teólogo. Dizendo que estava fazendo um alerta para os cristãos, Abílio diz no vídeo que as pessoas deviam “ficar atentas” ao comprar uma Bíblia pois poderiam estar adquirindo uma “Bíblia gay”. Na ocasião ao comentar o assunto, mostrou fotografias de Marvel e o mencionou nominalmente. Explicando de forma irônica que essa versão tiraria versículos bíblicos p…

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C. A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pesso…