Pular para o conteúdo principal

PHARMAKEIA - O Assasssino da Saúde. (Ana Mendes Ferrell)


Este livro expõe um dos maiores inimigos do nosso tempo, o espírito de “Pharmakeia”, que controla a indústria farmacêutica mundial. Milhões de pessoas estão em cativeiro acreditando que a resposta para suas doenças está nos remédios.

12 milhões de pessoas morrem todos os anos em nossa sociedade devido aos efeitos colaterais de medicamentos prescritos de maneira legal.
As empresas farmacêuticas são uma indústria que move trilhões de dólares anualmente e promove a doença em vez da saúde, tudo com o intuito de ganhar dinheiro. Nunca na História as pessoas estiveram tão doentes quanto hoje.
O consumo de remédios aumentou de dois comprimidos em média por pessoa em 1950 a 18 pílulas diárias em 2009.
A morte devido a medicamentos é 10 vezes maior que a causada pelo uso de drogas ilegais. 30% dos pacientes em hospitais estão internados por causa de efeitos colaterais de remédios consumidos.
Este livro expõe um dos maiores inimigos do nosso tempo, o espírito de “Pharmakeia”, que controla a indústria farmacêutica mundial. Milhões de pessoas estão em cativeiro acreditando que a resposta para suas doenças está nos remédios.
Descubra os propósitos por trás dos grandes fabricantes de medica-mentos e seu contexto espiritual. Conheça a origem das enfermidades e como destruí-las com o poder de Jesus Cristo, além de como quebrar os laços com Pharmakeia e com as estruturas erguidas em sua mente e corpo para matá-lo.
Ana Mendez Ferrell é mexicana e atualmente mora em Jacksonville, na Flórida, com seu marido, Emerson Ferrell. Deus a resgatou quando estava prestes a morrer em decorrência do seu alto envolvimento com o sacerdócio vodu e a chamou para estabelecer um grande exército na Terra com o objetivo de destruir as obras do diabo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benny Hinn Confessa que Passou dos Limites com a Teologia da Prosperidade

Enquanto refletia sobre a vida e a morte do evangelista Billy Graham em um vídeo publicado no Facebook, o evangelista Benny Hinn admitiu que "foi longe demais" com a teologia da prosperidade. "Nós somos atacados por pregar prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, e a palavra de Deus não ensina assim. Acho que eu sou tão culpado quanto os outros", disse ele. "Às vezes você vai um pouco além do que realmente precisa ir e, então, Deus o traz de volta à normalidade e à realidade", disse Hinn, de 65 anos, em sua conversa com um colega do ministério.  "Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente embasado e equilibrado em suas opiniões e pensamentos, porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam naquela época. Mas como vivi mais tempo, fico pensando: 'Você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e com a realidade'. …

Pastor Abílio Santana é processado depois de pregar contra a Bíblia Gay

O pastor Abílio Santana é bastante conhecido, em especial no meio pentecostal, por conta de suas ministrações e também pelas declarações polêmicas. O motivo é um vídeo publicado por ele nas redes sociais no início deste ano, o líder religioso irá responder uma ação judicial por injuria e difamação. Os autores do processo, aberto na 5ª Vara Criminal do Estado da Bahia são os militantes LGBT Jefferson Raphael Caetano Lira e José Marvel Queiroz de Sousa. Eles ingressaram com uma queixa-crime contra Abílio Santana após o pastor ter feito críticas a publicação da Bíblia Graça Sobre Graça, comentada por Marvel, que se apresenta como pastor e teólogo. Dizendo que estava fazendo um alerta para os cristãos, Abílio diz no vídeo que as pessoas deviam “ficar atentas” ao comprar uma Bíblia pois poderiam estar adquirindo uma “Bíblia gay”. Na ocasião ao comentar o assunto, mostrou fotografias de Marvel e o mencionou nominalmente. Explicando de forma irônica que essa versão tiraria versículos bíblicos p…

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C. A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pesso…