Pular para o conteúdo principal

Novo Cd da Cantora Eyshila " Nada pode calar um adorador"

O primeiro CD de Eyshila após a cirurgia que sofreu em 2008 traz no título o que a cantora vivenciou no último ano: Nada pode calar um adorador.

A faixa título do CD, escolhida como música de trabalho, foi escrita pela própria cantora enquanto ainda se recuperava da cirurgia. Bem intimista, o CD conta em forma de canção a história de superação de Eyshila, que nunca duvidou de que voltaria a adorar a Deus.

O CD tem 14 faixas, sendo 8 de Eyshila. Destaque para a faixa título; a animada Não Temerei; a música Meu Abrigo, cantada comLiz Lanne, irmã da cantora; a regravação do sucesso Espírito Santo, de sua autoria; e a faixa Pastor, que conta com as participações de Fernanda Brum, Jozyanne, Cristina Mel, Wilian Nascimento, Marquinhos Menezes e Lilian, Cleydejane, Thiago Fersyl, Marcus Salles, Jairo Bonfim, Emerson Pinheiro, Liz Lanne e Matheus e Lucas, filhos de Eyshila.)

Músicas do CD
1. Introdução
2. Não temerei
3. Deus dos vales, Deus dos montes
4. Nada pode calar um adorador
5. Som de um coração
6. Meu abrigo – part. Liz Lanne
7. Espírito Santo
8. Ministração
9. Te amo, Espírito Santo
10. Minha casa
11. Mulher abençoada
12. Nunca é tarde
13. Pastor
14. Um dia dirão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carnaval, Festa Pagã do Começo ao Fim

O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e termina quando a Igreja católica adota, oficialmente, o carnaval em 590 d.C. A única diferença entre o carnaval da antiguidade para o moderno é que, no primeiro, as pessoas participavam das festas mais conscientes de que estavam adorando aos deuses. O carnaval era uma prática religiosa ligada à fertilidade do solo. Era uma espécie de culto agrário em que os foliões comemoravam a boa colheita, o retorno da primavera e a benevolência dos deuses. No Egito, os rituais eram oferecidos ao deus Osíris, por ocasião do recuo das águas do rio Nilo. Na Grécia, Dionísio, deus do vinho e da loucura, era o centro de toda as homenagens, ao lado de Momo, deus da zombaria.
Em Roma, várias entidades mitológicas eram adoradas a começar por Júpiter, deus da orgia, até Saturno e Baco, que era o deus da agricultura. Durante estas celebrações, conhecidas como “Saturnais” os escravos eram soltos e as pesso…

Saiba o que é a Festa de Hanuká

A Festa de Hanuká
Primeiramente, o que significa a palavra hebraica Hanuká? Hanuká  (ou Chanucá) significa consagração ou dedicação. Esta festa é também conhecida no meio judaico como Festa das Luzes. Em João 10:22, vemos Yeshua (Jesus) passeando no Templo na comemoração da Festa da Dedicação. Essa passagem é a única passagem bíblica no Novo Testamento que se refere à referida festa. Não encontramos esta celebração no Antigo Testamento porque o fato que deu origem a esta festa ocorreu no ano 162 a.C. Contexto Histórico
Vindo da Macedônia, o império grego expande-se de maneira significativa, conquistando desde o Egito, Oriente Médio, até a Índia. Depois da morte de seu grande Imperador, Alexandre (336-323 a.C.), vários generais lutam pelo controle do Império. O imperador selêucida, Antiochus Epiphanes (175-163 a.C.), conquista o domínio sobre a região do Oriente Médio e investe fortemente contra toda a região da Judéia, impondo os costumes, as tradições, a religião e o pensamento grego He…

Política do Pão e Circo até na Igreja?

“Quanto mais instruído o povo, tanto mais difícil de o governar…” Diz um Provérbio.





A política do Pão e circo (panem et circenses, no original em Latim) como ficou conhecida, era o modo com o qual os líderes romanos lidavam com a população em geral, para mantê-la fiel à ordem estabelecida e conquistar o seu apoio. Esta frase tem origem na Sátira X do humorista e poeta romano Juvenal (vivo por volta do ano 100 d.C.) e no seu contexto original, criticava a falta de informação do povo romano, que não tinha qualquer interesse em assuntos políticos, e só se preocupava com o alimento e o divertimento.  Assim, nos tempos de crise, em especial no tempo do Império, as autoridades acalmavam o povo com a a construção de enormes arenas, nas quais realizavam-se sangrentos espetáculos envolvendo gladiadores, animais ferozes, corridas de bigas, quadrigas, acrobacias, bandas, espetáculos com palhaços, artistas de teatro e corridas de cavalo. Outro costume dos imperadores era a distribuição de cereais …